Páginas

sexta-feira, setembro 10, 2010

Caçadores de Dragões


Semana passada assisti um filme infanto-juvenil um tanto interessante. Dragon Hunters(Chasseurs de Dragons). Originalmente é um desenho plano, mas para contar uma história no filme, utilizaram texturização e 3D, o que deu uma roupagem totalmente fascinante. Sou fã de desenhos pouco convencionais e Dragon Hunters é um desses. Ele capta emoções e pensamentos muito fortes, existenciais. Comecei a ver o desenho em si porque passava de canal em canal e ouvi uma música do The Cure como trilha sonora do desenho e isso me intrigou. Mesmo com a maravilha e devassidão que é a internet, não consegui achar essa música e nem o nome dela. Bem, ouvi dizer há um tempo atrás que tinham lançado o filme do desenho. Vi um dia desses e quero ver de novo! A História se baseia em um futuro onde o mundo virou um monte de ilhas com sua própria órbita, humanos vivendo nelas e tendo que se cuidar por conta de dragões bem estranhos que aparecem volta e meia. Os traços deles são bem como qualquer animal na terra, como porcos, morcegos, lagartos, abelhas e tudo mais. Dois amigos tentam a sorte nesse mundo estranho caçando dragões. Guisdô e Lian-Chu o nome dos carinhas. Eles conhecem uma pequena garota, a Zoe, que acredita em cavaleiros, contos de fada e - ironicamente - um mundo melhor. Para ajudar seu tio, um Lorde, ela pede ajuda aos dois, que caçam dragões mas tem bem poucas ambições, como montar uma fazenda e viver sossegados. 

Ela chama-os para derrotar um terrível dragão que tirou a saúde de seu tio e devastou várias terras. Guisdô, o baixinho e precavido, só quer pegar o dinheiro e sair fora pois sabe que vai ser barra pesada. Lian-Chu acaba por aceitar o desafio e vai de encontro ao local onde o tenebroso dragão se encontra. Em toda a viagem existe um conflito que vemos muito em nossos próprios cotidianos: Dinheiro ou paz de espírito? Caminhar junto ou seguir sozinho? Sair de fininho ou enfrentar os problemas? e a história do filme vai deslanchando sobre essas coisa junto a dragões que deixam pessoas loucas, caminhos que de despedaçam no ar, lendas de cavaleiros destemidos e o medo de encontrar a morte. Enfim depois de dilemas de amizade, vida e tudo mais, eles encontram o Comilão Do Mundo, o dragão que assola a todos, o devorador de mundos. Fiquei olhando para aquilo e me lembrei de uma coisa: Parece que todos nós temos um comilão do mundo ou ao redor ou dentro de nós mesmos. Aquilo que nos corrompe ao medo, que nos atira na solidão e na incerteza. Nossa! E disseram que era um filme pra crianças^^. Todos morreram de medo ao ver um esqueleto gigante de um dragão que comia tudo, mas era vazio por dentro. Uma metáfora linda: destruição não leva a nada. Mais lindo é o final. mas eu não vou contar pra vocês não! Espero que procurem e vejam este filme pra crianças adultas^^. Muito bom, simplesmente interessante. Procurem!

Ou quem sabe seja uma bobagem, o lance é como se vê.





abraços!

4 comentários:

Camilla Aloyá disse...

eu assisto filmes infatis e sempre chego a conclusão que as crianças não entendem as mensagens subliminares, sendo assim, os filmes com certeza são para adultos... rsrsrs...

Rossana Chiara disse...

Bom texto, boa crítica!
As mensagens desses filmes infantis dizem muito sobre a vida, a intenção é justamente usar a abstração para tocar de forma unica cada pessoa. As mensagens dizem o que queremos entender. Por isso atinge a todos, de formas diferentes!
abração

Giselle Castro disse...

Minha preguiça é grande. Eu só assisto animações na sessão da tarde. -.-'

Didi. disse...

ótima resenha.