Páginas

sábado, abril 17, 2010

Partes de uma Pós-Crise

 Parte I: Da perda da inocência.

Eles não são mais, nós não somos mais, mas ainda tentamos viver sem que a apatia nos pegue de jeito. Beirando a fortaleza e a fraqueza se encontram os sentimentos mais fortes da vida aqui, mas mesmo com estes, tomamos conta do coração como se ele sempre fosse muito frágil mesmo, esquecendo quanta força existe nisso, no coração.

Parte II: Do peito em explosão.

Tenho um recado às pessoas que amam: cuidado com sua caixa toráxica. Em altos e baixos da vida, quando não temos mas já temos aquela certeza que nos leva à pessoa que pode ser a que você vai abraçar antes de dormir quando tiver uns 20 anos à frente daqui. Quando se tem essa importância, só a possibilidade de perda é como uma bomba H no meio do peito.

Parte III: Da redenção e reconhecimento.

Por mais que a vida seja confusa, quando o sentimento de amor e o reconhecimento da pessoa amada vêm a tona, você acorda. Podem ser dias boêmios, noites elétricas, semanas afásicas, não importa, tudo isso vai mudar. O cuidado vem, a resiliência vem, o sol vem. Auto-estímulos sempre funcionam, mas não mais do que uma boa dose de companhia e carinho. E digo algo cabal: Não abandonem isso por nada. Se perder é lindo e se achar também, mas nem sempre existem múltiplos caminhos depois.

Parte IV: Da vontade de viver.

Já diria Ed Motta, "se amar é viver e viver é amar, não deixe pra viver depois". E é por isso que eu amo. E é por isso que o amor faz mudanças. E é por isso que amo demais a pessoa que me acompanha, espiritual e fisicamente.


Que Olorun nos proteja na caminhada rumo à vida junto ao nosso amor.

Bi Olorun Ba fe 

3 comentários:

Camilla para os menos íntimos... disse...

vc escreve muito bem...
adoro ler seus escritos, tudo certim... rs!

beijos no coração, dias Odara pra ti. Asè!

Didi. disse...

Que seja mudança, quem espera sempre cansa...

Didi. disse...

Que seja mudança, quem espera sempre cansa...